Abril-Junio 2019 Volumen 34, Número 2
A despeito dos avanços na cirurgia do trauma a conduta cirúrgica ainda é a mais indicada em casos de ferimento cardíaco penetrante

Autor: Bruno José da Costa Medeiros

O artigo de Garcia  aborda um tema muito relevante e controverso na cirurgia do trauma. De fato o tratamento de pacientes com trauma precordial penetrante evoluiu bastante sobretudo após o advento da janela pericárdica subxifóidea por Arom 1977.

Nos últimos 40 anos vários métodos diagnósticos do hemopericárdio foram introduzidos como US FAST e técnicas minimamente invasivas para janela pericárdica.

O manejo dos pacientes com ferimento precordial também sofreu mudanças que passaram de toracotomia exploradora em todos os pacientes para exploração por técnicas via toracoscopia.

Essas últimas se mostraram bastante eficazes no manejo de pacientes hemodinamicamente estáveis, em serviços especializados e em mãos hábeis. No entanto um manejo não operatório não tem demonstrado ser uma conduta acertada.

Em nosso serviço tivemos um caso de tamponamento cardíaco tardio 18 dias depois de um ferimento precordial penetrante, em 2000 Westphal e col. analisaram 5 casos de tamponamento cardíaco tardio que retornaram ao hospital de 8a 24 dias após a alta hospitalar, todos os pacientes estavam hemodinamicamente estáveis apósa avaliação inicial.

Em 2017 Mishra e col.9 relataram um caso de ferimento precordial inócuo por arma de fogo que se manteve estável hemodinamicamente e não apresentou hemopericárdio durante toda internação, foi liberado no 10o dia de internação, retornou ao hospital 21 dias após o trauma inicial em óbito devido a tamponamento cardíaco.

Doi:

Palabras Clave

lesiones cardíacas, heridas penetrantes, heridas y lesiones, lesões cardíacas, feridas penetrantes, ferimentos e lesões
INFORMACIÓN ARTÍCULO
Recibido: 06/03/2019
Aceptado: 08/03/2019
Publicado: 07/05/2019

Citar como: da Costa Medeiros BJ. A despeito dos avanços na cirurgia do trauma a conduta cirúrgica ainda é a mais indicada em casos de ferimento cardíaco penetrante. Rev Colomb Cir. 2019;34:203-4.